Como os EUA exportam inflação para o Brasil e para o Mundo

Já ouviu falar em “Exportar Inflação”? Nesse artigo explicamos um pouco mais como e esse processo acontece e porque ele pode começar a ser invertido nos próximos anos.

Para estimular sua economia, o governo dos Estados Unidos e/ou o Banco Central (FED) pode fazer duas coisas: contrair mais dívida ou imprimir mais dinheiro. E na verdade eles escolheram os dois.

A forma como fizeram isso foi emitindo mais títulos públicos (bonds) e o FED comprando grande parte desses próprios títulos (e também outros ativos financeiros). Com essa medida o banco central conseguiu manter as taxas de juros baixas, estimulando a  sua economia (crédito barato).

Por outro lado isso cria uma “demanda artificial” e não era muito comum bancos centrais fazerem isso alguns anos atrás, o que gerou (e ainda gera) desconfiança em relação à saúde do sistema financeiro global.

Entendendo o mercado de bonds: quanto maior a demanda por um título público, menor seu retorno financeiro (yield).

Como isso gera inflação em outros países

O dólar americano é a principal moeda de reserva do mundo. Isso significa que a maioria dos países mantêm suas reservas (dinheiro que possuem) em dólares. Na medida que o FED inunda o mundo com mais dólares, outros países tem duas escolhas:

  1. podem deixar o valor de suas moedas subir;
  2. podem também imprimir mais dinheiro em sua moeda e ficar “neutros” em relação ao dólar deflacionado.
  3. Se os países escolhem o número 1 isso não causa pressão inflacionária mas pode deprimir a economia na medida em que suas exportações ficam menos competitivas. Se a economia interna do países não é forte o suficiente (como Brasil e China não eram há 10 anos atrás) isso pode causar e causa demissões, recessão, crise…

    Se eles escolhem o número dois para se manter competitivos, em essência estão criando inflação.

    É assim que nos últimos anos os EUA vem “exportando inflação” para o resto do mundo.

    Momento atual e perspectivas futuras

    Em 2017 a Bolsa nos EUA vem fazendo altas históricas e toda a economia mostra sinais de recuperação, com uma taxa de desemprego baixíssima.

    Diante desse novo cenário, em abril de 2017 o FED começa a falar em “diminuir seus balanços” (vendendo títulos e ativos que possui em seu portfólio) e desde 2016 iniciou um processo de elevação das taxas de juros estiveram praticamente zero desde a crise de 2009.

    Vale notar como o momento coincide com o ápice da inflação (e taxa de juros) no Brasil…

    Gostou desse artigo? Conheça nosso curso de trading e aprenda mais sobre macroeconomia e análise fundamentalista.


    Compartilhe


    Conheça